MAR DE AMIGOS – SINISTROS NÁUTICOS: O QUE SÃO E O QUE FAZER PARA RECEBER DO SEGURO? – 12/10/23

JOÃO PAULO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
Sejam bem vindos a mais um mar de amigos. E hoje, dando continuidade a um tema que foi um sucesso aqui em nosso canal, é um assunto que normalmente a gente não pensa na hora que está adquirindo uma lancha ou na hora que está utilizando, mas que é super importante. E para isso eu trouxe aqui um grande amigo. Na verdade não trouxe. Eu vim até seu estabelecimento hj já. Bem, obrigado mais uma vez agradeço vocês.

FABIO AVELAR – DIRETOR DA BRANCANTE SEGUROS
Sejam bem vindos.

JOÃO PAULO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
Obrigado. Olha, você já virou figurinha cativa aqui no nosso radar, o que agrada nosso parceiro.

FABIO AVELAR – DIRETOR DA BRANCANTE SEGUROS
É pena que aqui o ambiente é diferente, lá está mais gostoso né?

JOÃO PAULO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
Queria levar pro pessoal hoje um conteúdo que a respeito de sinistros normalmente é o que o navegador tá sempre correndo desse assunto. Mas assim, quando ocorre é legal ter instrução. Podemos falar um pouquinho sobre.

FABIO AVELAR – DIRETOR DA BRANCANTE SEGUROS
Isso com certeza. Inclusive eu acho que é um assunto quase que da mesma importância, senão maior do que propriamente o assunto do seguro, da contratação, do seguro. O que a gente vê muito é o despreparo do mercado e o desespero da própria pessoa, o que é natural.

FABIO AVELAR – DIRETOR DA BRANCANTE SEGUROS
Quando acontece. Então, acho um assunto muito bacana, vai longe.

JOÃO PAULO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
Legal, muito legal. Então pessoal, não esqueçam de curtir o nosso conteúdo, se inscrever em nosso canal, tá? E vamos conhecer um pouquinho, um pouco, Valeu! Então assim, pra começar, o assunto é um sinistro, um acidente quando ocorre o que fazer?

FABIO AVELAR – DIRETOR DA BRANCANTE SEGUROS
Óbvio que o que a gente costuma dizer é que a salvaguarda da vida humana vem sempre em primeiro lugar. Tudo aquilo que pudesse ser feito para tirar a familiares, para tornar a coisa segura e tranquila, se faz em primeiro lugar, patrimônio vem em segundo, primeiro lugar. E assim tinha uma família. Agora vamos cuidar do barco. De que forma?

FABIO AVELAR – DIRETOR DA BRANCANTE SEGUROS
Que fazer isso? Ou vai pedir um reboque ou vai pedir um socorro, ou vai tentar monomotor. Se for uma parelha, se tiver, leva o barco para Marina, leva o barco. Você para o barco. Aí a gente vai começar a trabalhar. Mas a função do proprietário voltado para essa questão de seguro também é uma cláusula de apólice que ele tem a responsabilidade de fazer o possível para preservar o patrimônio, ainda que ele tenha alguma avaria, ainda é de responsabilidade dele a preservação do patrimônio.

JOÃO PAULO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
Fabio, você já deu essa, se deu essa introdução, Mas aí me gerou uma dúvida o que é sinistro? Tudo é sinistro.

FABIO AVELAR – DIRETOR DA BRANCANTE SEGUROS
Mas não deve ver um nome técnico, né? Vamos dizer assim, porque o sinistro nada mais é do que o acidente. E quando a gente fala em acidente, o próprio nome diz causa externa é uma causa externa, é uma coisa involuntária, é uma coisa que pode acontecer aqui. A gente passaria o dia inteiro narrando possibilidades de acidentes.

JOÃO PAULO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
Mas estou passando alguns exemplos incêndio, colisão, naufrágio, uma quebra mecânica.

FABIO AVELAR – DIRETOR DA BRANCANTE SEGUROS
A quebra mecânica se ocasionada por um fator externo. Ela é um acidente se ocasionada por um problema de manutenção? Não.

JOÃO PAULO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
E aí ocorreu a quem é que eu recorro?

FABIO AVELAR – DIRETOR DA BRANCANTE SEGUROS
Bom, é o que a gente costuma dizer, João. É que assim o seu contato é sempre o seu corretor. Então quer dizer, o teu corretor. Ele tem por obrigação estar ali presente nesse momento. E quando eu digo presente, às vezes não é de corpo presente, mas presente no sentido de lhe atender. Ele vai te passar Quais as orientações, por óbvio, a gente vai tentar aqui.

FABIO AVELAR – DIRETOR DA BRANCANTE SEGUROS
Acredito eu, dar algumas dicas aí pro pessoal, porque pode acontecer de não achar, não localizar. Mas o primeiro caminho é assim preservou a família, preservou a vida humana, deixou o barco numa situação fora de risco. Próximo passo entrar em contato com teu corretor e o que vai ser feito após isso? O corretor vai pedir, porque esse talvez seja uma das únicas coisas que o corretor não pode fazer por você, que é o relato.

FABIO AVELAR – DIRETOR DA BRANCANTE SEGUROS
Esse relato do sinistro. Ele tem que ser feito por quem viveu e pelo proprietário da embarcação ou condutor legal da embarcação. Então ele vai ter que fazer um relato oficial disso. Cuidado com esse relato. Ele é baseado neste relato que a seguradora vai fazer toda a interpretação desse sinistro e a perícia em cima daquilo que aconteceu. E isso o corretor não pode fazer por ele, não gera abertura do sinistro caso não tenha o relato.

JOÃO PAULO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
Fabio, agora até eu sei que o tema é sério, é importante, mas pra gente tentar levar isso de uma forma um pouquinho mais descontraída para o pessoal conseguir assistir até o final, né? E você, já passou por uns casos como esse? Então assim, porque você citou uma coisa agora que é bem interessante um sinistro ocorrem quando o pessoal mais utiliza.

JOÃO PAULO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
Então era final de semana, feriado sim, é uma data que eu acho que é fatídica, é virada de ano, eu sei bem, você já passou por isso.

FABIO AVELAR – DIRETOR DA BRANCANTE SEGUROS
Já várias vezes, inclusive assim chega no réveillon. As vezes a minha esposa fala eu sou louca para ter um sítio, mas a gente só vê galinha. Eu não aguento mais falar de barco, né? Mas o interessante disso é que os sinistros são 23 anos trabalhando com isso, João, e ainda assim me surpreendo com os mais diferentes possíveis. Muitas vezes o proprietário da embarcação ou o comandante, ele tem aquela concepção de que eu tenho 20 anos de mar, eu tenho 30 anos de mar, eu sou um capitão preparado, eu não vou ter.

FABIO AVELAR – DIRETOR DA BRANCANTE SEGUROS
É, a gente tem muito sinistro que independe dessa experiência. Uma queda de raio, por exemplo, um vendaval que a gente está vendo aí. Essas mudanças climáticas o tempo todo vem ocorrendo. O que adianta você ser um bom comandante? O que adianta você ter uma experiência?

JOÃO PAULO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
Mas eu tive um acidente, O que eu não devo fazer?

FABIO AVELAR – DIRETOR DA BRANCANTE SEGUROS
O que você não deve fazer de forma nenhuma, é descaracterizar o acidente, descaracterizar o evento. Você pegou o barco? Levou, porque a sua obrigação é preservar esse barco o máximo possível. Então você levou, colocou no seco, tirou pra fora a minha rabeta, perdi uma rabeta, meu eixo, meu leme foi embora. Eu não sei o que é, o que eu faço.

FABIO AVELAR – DIRETOR DA BRANCANTE SEGUROS
Não mexa. Você vai entrar em contato com o teu perito, Vai fazer aquele relato que a gente conversou anteriormente diante dessa situação, o teu corretor, eu falei Perito, o teu corretor vai então mandar um perito da seguradora e o que esse perito vai fazer? Ele vai pegar aquele relato e vai ver se aquele relato condiz com aquilo que ele está vendo nas avarias.

FABIO AVELAR – DIRETOR DA BRANCANTE SEGUROS
Aí fechou o negócio e aí é que é o grande lance, vamos dizer assim, porque existe um pouco de dúvida com relação ao mercado que é assim. Tive um acidente, levei meu barco, desmontei meu barco, arrumei meu barco, seguradora toma nota, quero reembolso. Como? Como é que a seguradora vai te pagar se ela não viu ela não sabe se você perdeu um motor, dois motores, uma rabeta, dois rabetas, não sabe?

FABIO AVELAR – DIRETOR DA BRANCANTE SEGUROS
Então não se deve descaracterizar isso de forma nenhuma.

JOÃO PAULO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
Que documentos que eu preciso apresentar? Porque hoje em dia, inclusive, existe aí uma discussão o pessoal está pedindo para que tenha inclusive o documento original a bordo da embarcação. Tá, tá. O barco afundou, o documento foi junto. E aí?

FABIO AVELAR – DIRETOR DA BRANCANTE SEGUROS
Bom, em primeiro lugar é assim. Não se deve confundir as exigências vindas da normal ou da Marinha com relação às exigências da seguradora seguradora. Ela pode eventualmente exigir coisas que a Marinha não exige e vice versa. E de repente, a Marinha pode estar colocando uma série de exigências lá que não são situações que vão alterar esse risco e que pela seguradora não tem muita importância.

FABIO AVELAR – DIRETOR DA BRANCANTE SEGUROS
Mas nessa situação, por óbvio, o barco afundou. Ok, afundou. Foi com documentação, não junto. Você tem capitania, você tem o registro na capitania. É necessário que você apresente conversar, é necessário que você apresente o título de inscrição da embarcação. Agora, isso não.

JOÃO PAULO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
É cópia suficiente.

FABIO AVELAR – DIRETOR DA BRANCANTE SEGUROS
Isso não vai atrapalhar o processo de regulação de sinistro. Um processo de regulação de sinistro. Ele começa com a perícia, ele começa depois, ele tem análise de orçamentos e tudo. Nesse ínterim, em paralelo, você vai buscar essa documentação. Afundou. Não tem nada para se fazer com relação a isso. Ainda assim, existe uma situação que todas as vezes que uma embarcação pega fogo, afunda ou tem vítima, obrigatoriamente você tem que abrir um inquérito na Marinha.

FABIO AVELAR – DIRETOR DA BRANCANTE SEGUROS
Esse inquérito da Marinha também é um documento exigido. Não há conclusão pura e simplesmente, mas pelo menos o protocolo de abertura desse inquérito, porque a Marinha também tem que se pronunciar com relação a isso. Qual foi o motivo? Qual motivo fortuito foi um acidente que aconteceu?

JOÃO PAULO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
O fato de você estar aceitando é que é uma coisa que é bem interessante, que você acabou de falar do inquérito da Marinha. Aí já começa até.

FABIO AVELAR – DIRETOR DA BRANCANTE SEGUROS
Outra.

JOÃO PAULO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
Arrepiar. Fala assim pera aí, nós estamos no Brasil. Qualquer coisa que você vai fazer aqui em 90 dias. Então assim ocorreu. Meu corretor e bom, está me dando todo o amparo. Quanto tempo leva para que eu resolva a minha situação ou para que eu faça o reparo na minha embarcação? Ou para que de repente eu possa receber o valor desse seguro e fazer uma aquisição de uma nova lancha?

JOÃO PAULO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
Está.

FABIO AVELAR – DIRETOR DA BRANCANTE SEGUROS
Excelente pergunta, João, porque assim é muito comum de quando existe um acidente nessa situação. Ou ainda que seja, vamos fazer aqui uma simulação de uma avaria parcial da embarcação. Então tem um barco lá de 1 milhão R$ e eu bati e peguei uma laje, seja lá o que for, estraguei. Olha, o meu sinistro foi no dia 1 de janeiro.

FABIO AVELAR – DIRETOR DA BRANCANTE SEGUROS
Nós já estamos no dia 15 de fevereiro e até agora eu não recebi. Vamos por etapas. A primeira etapa foi a comunicação do sinistro. No dia seguinte, o perito foi lá. A partir do momento que o perito foi lá e fez a vistoria, ele liberou para orçamentos. Os orçamentos quem faz é o próprio proprietário. Se o proprietário mandou a embarcação lá no João Boat para a gente não citar nomes e o João Boat tem que fazer o orçamento.

FABIO AVELAR – DIRETOR DA BRANCANTE SEGUROS
E o João Monte levou 30 dias para fazer o orçamento. A a seguradora. Ela não está demorando 45 dias para pagar. Ela está guardando esse orçamento porque ela tem que avaliar se esse orçamento justo condiz com aquilo que aconteceu. Então, quando você fala quanto tempo leva para se ser ressarcido? Veja que existem situações que são inerentes da vontade da seguradora.

FABIO AVELAR – DIRETOR DA BRANCANTE SEGUROS
Se você tiver em dois dias um orçamento pronto, por exemplo, a média de regulação de sinistro, nós já regulamos sinistro aqui. Por exemplo, em 16 dias, 16 aconteceu o cliente. Dois dias depois ele tinha o orçamento na mão, porque também não dependia tanto de iluminação. Tudo era aquela coisa de equipamentos eletrônicos que tem que substituir por novo. Fez lá a relação de equipamentos, apresentou, a seguradora, aprovou e eu vou dizer o seguinte eu estava na conta dele.

FABIO AVELAR – DIRETOR DA BRANCANTE SEGUROS
Agora existem sinistros que podem demorar 30, 40, 60, 90 dias, até mais, dependendo do tamanho desse estrago e do tempo que vai demorar para se chegar a todos esses orçamento.

JOÃO PAULO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
Mas vamos lá, num caso de perda total, aí eu tenho um inquérito da Marinha, são 90 dias. Um exemplo eu não sei quanto tempo leva exatamente.

FABIO AVELAR – DIRETOR DA BRANCANTE SEGUROS
Infelizmente.

JOÃO PAULO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
Dá um pouquinho mais do que.

FABIO AVELAR – DIRETOR DA BRANCANTE SEGUROS
Eu acho que nós vamos preso continuar a falar vamos, mas eu também vamos.

JOÃO PAULO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
Falar baixinho, mas vamos lá. Ocorrendo. Falando da parte da seguradora, quanto tempo que essa pessoa vai ser ressarcido em média?

FABIO AVELAR – DIRETOR DA BRANCANTE SEGUROS
Então tem uma notícia boa com relação a isso, para desmistificar um pouco essa essa questão de ah, mas se eu depender da Marinha, eu vou vai. É verdade, os inquéritos estão demorando. A Marinha lá pode abrir novos prazos, então ela pode lá pedir mais 30, mais 30, mais 30. Isso pode virar.

JOÃO PAULO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
Uma coisa.

FABIO AVELAR – DIRETOR DA BRANCANTE SEGUROS
Nova, infelizmente. A verdade, isso pode virar um ano. Mas já há algum tempo que a Susep, que regulamenta os seguros, ela obriga a seguradora a indenizar o cliente em até 30 dias após a entrega de toda a documentação. Independente de ser desse inquérito de Marinha ter saído ou não, ele precisa apresentar a abertura. Ele abriu o inquérito. É um protocolo de que ele abriu.

FABIO AVELAR – DIRETOR DA BRANCANTE SEGUROS
Se ela julgar, se ela concluir esse inquérito dentro do prazo, ótimo. Se ela não não concluir, a seguradora tem o direito de um regresso contra ele depois daqui um ano, se for o caso. Mas ela tem um tempo para ela indenizar e esse tempo é 30 dias após a entrega de toda a documentação. Então já não existe muito aquela coisa de ai meu Deus, caí na marinha, agora eu estou ferrado, eu não vou receber da seguradora não.

FABIO AVELAR – DIRETOR DA BRANCANTE SEGUROS
O que pode acontecer é você receber o seu milhão que eventualmente seu barco afundou e daqui oito meses sai o inquérito da Marinha e te colocou lá como culpado. Por exemplo, a seguradora. Diante desta conclusão, ela tem o direito de entrar com uma ação de regresso contra você e pedir o ressarcimento desse valor. Mas ela tem que te pagar.

FABIO AVELAR – DIRETOR DA BRANCANTE SEGUROS
Ela tem prazo para as partes.

JOÃO PAULO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
Perfeito. Aí acho que da parte do sinistro está bem claro, mas da parte do parcial sim, esse parcial ainda existe algumas dúvidas. Então assim, o que eu reparo muito no dia a dia é a questão do pessoal. Sempre pergunta o valor de franquia, o valor de franquia novamente em um automóvel. Então a gente costuma tentar que ele seja o mais baixo possível em barco.

JOÃO PAULO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
Eu vejo que o pessoal não, não se preocupa tanto com isso. Então, quando eu pago a franquia e ela é relevante ou não para quem está fazendo o seguro.

FABIO AVELAR – DIRETOR DA BRANCANTE SEGUROS
Perda total não tem franquia, qualquer tipo de avaria parcial você tem a franquia.

JOÃO PAULO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
Vamos lá pela sua experiência é assim, é o barco, ele não pode ficar, teve um naufrágio, não pode ficar submerso. A princípio. Então assim, eu acho que o seguro de barco, ele tem várias particularidades que não existem em outros mercados. Sim, dentro da sua experiência, o que que é mais relevante é uma franquia? É um dano a terceiros.

JOÃO PAULO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
O que você avaliaria que assim, para o pessoal que está fazendo como uma outra corretora, o que é que ele tem que olhar ali na proposta dele que ele não pode deixar passar despercebido?

FABIO AVELAR – DIRETOR DA BRANCANTE SEGUROS
Primeiro que assim, já há muitos anos que a gente tenta e está melhorando, que essa questão da consciência do brasileiro de pensar no próximo, porque a gente, durante muitos anos trabalhava numa situação assim, meu barco voltando a dar exemplo, o meu barco vale 2 milhões R$ e a minha cobertura para terceiros é 25.000 R$. Tá bom, você tem um barco de 2 milhões R$ que você atropela um bote inflável com duas pessoas dentro.

FABIO AVELAR – DIRETOR DA BRANCANTE SEGUROS
Lá o prejuízo pode ser muito maior, porque isso está envolvendo inclusive a questão da pessoa, do acidente pessoal e tudo mais. Isso começou a mudar, essa consciência começou a mudar e hoje já se praticam coberturas de responsabilidade civil bem maiores. O que eu aconselho ter por que inclusive a taxa para ela é muito pequena. Vale a pena às vezes pesquisar quanto eu estou pagando por isso aqui.

FABIO AVELAR – DIRETOR DA BRANCANTE SEGUROS
Se eu colocar 100.000 R$, quanto custa? Se eu colocar 1 milhão R$, quanto o custo? Você vai ver que no final das contas eu vou por 1 milhão R$. Vale a pena. Essa é uma cobertura necessária e quando você falou um barco afunda, ele não pode ficar no fundo, óbvio. Há um tempo atrás, no tempo do teu pai, do meu e do teu pai e meu, porque você é mais novo, era muito comum de se dizer o seguinte o barco afundou a 25 metros de profundidade.

FABIO AVELAR – DIRETOR DA BRANCANTE SEGUROS
Não está causando risco a navegação larga lá. Hoje 95% das embarcações afundou. Tem que tirar porque ela pode ter combustível. Ela pode ter algum tipo de material tóxico que pode contaminar o ambiente. Então tem que tirar. Se você não tem a cobertura de remoção de destroços, é um problema teu. A Marinha vai vir para cima de você, os ambientalistas vão vir pra cima de você.

FABIO AVELAR – DIRETOR DA BRANCANTE SEGUROS
Você tem que tirar aquela tranqueira de lá, vai ter que tirar a seguradora, pois agora você contratou essa cobertura. Não, Eu vou pagar o teu barco que afundou. Agora essa mão de obra, esse serviço todo, eu não vou fazer nós tivermos só história para muito tempo, mas nós tivemos um barco há alguns anos atrás que eu acredito ter sido o maior e o mais difícil, o mais dificultoso início que nós tivemos, que foi um barco que afundou na Antártica e a Antártica é um local mundial.

FABIO AVELAR – DIRETOR DA BRANCANTE SEGUROS
Ele é, ele não tem dono. Todo mundo tem a sua responsabilidade ambiental sobre ele. E quando você. Quando isso acontece, quem responde mundialmente por isso é o Brasil. É esse barco à flor, com um combustível, com neve e com gelo. E tinha que tirar esse barco de lá. Então foi uma operação assim.

JOÃO PAULO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
De guerra.

FABIO AVELAR – DIRETOR DA BRANCANTE SEGUROS
De guerra, de guerra, sem sombra de dúvidas, de guerra. E enfim, eu tinha a cobertura de remoção de destroços.

JOÃO PAULO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
Tem algum outro caso emblemático de dificuldade que você já teve?

FABIO AVELAR – DIRETOR DA BRANCANTE SEGUROS
Há muitos, cara. Muitos. Eu me lembro agora, por exemplo, que foi um aprendizado para mim. Eu tive uma numa ocasião, um sinistro. Ele nem era de valor muito elevado, mas era um sinistro, o que foi uma queda de raio. E essa queda de raio queimou quase todos os eletrônicos do barco. Só que não se encontrava de forma nenhuma a entrada do raio e nem a saída dele, porque a seguradora também precisa do famoso nexo causal que seria a evidência do acidente.

FABIO AVELAR – DIRETOR DA BRANCANTE SEGUROS
E toda vez que a gente tinha algum sinistro de raio, você localiza por onde ele entrou, você localiza por onde ele saiu. Às vezes é um botão no topo do mastro, um rombo embaixo, mas você acha que não se achava, não se achava, não se achava um cliente muito íntegro, que eu conhecia, sabia que aquilo tinha acontecido e aí me levou a fazer um estudo.

FABIO AVELAR – DIRETOR DA BRANCANTE SEGUROS
Eu trouxe um argentino para cá que tinha uma tese de propagação de raio. Que raio propaga até então? Se você sabe disso, eu não sabia na época e ele foi comigo fazer uma vistoria no clube na época, ao lado dessa embarcação tinha um veleiro e ele pegou, falou é possível a gente descer o mastro desse veleiro, era de uma outra pessoa que eu vou tentar e pegar autorização não sei o quê.

FABIO AVELAR – DIRETOR DA BRANCANTE SEGUROS
No topo do mastro desse veleiro tinha a entrada do raio e pela distância que a embarcação estava daquele veleiro é como uma bomba. Vai bem e propaga essa propagação. Queimou o os equipamentos do barco e aliado a isso a gente também. Em teste de bancada se constatou porque existia também a especulação de que esses equipamentos todos podiam ter queimado por causa da entrada de energia do barco, pelo pela tomada de cais e tudo.

FABIO AVELAR – DIRETOR DA BRANCANTE SEGUROS
Só que todos os equipamentos queimaram pela saída. Eles não queimaram pela entrada. Então as evidências acabaram. Mas foi uma tese cara. Foi investimento. É uma tese na seguradora de que existe a propagação de que os equipamentos queimaram pela saída e não pela entrada. E tudo isso é aprendizado. Não é só porque é incrível, é um mundo incrível. Toda hora tem uma coisa diferente, toda hora tem uma situação nova.

FABIO AVELAR – DIRETOR DA BRANCANTE SEGUROS
Você fala e agora, o que que eu faço com um um sinistro seguido do outro? Por exemplo, você mal pagou o cara e ele já teve outro e ainda está regulando ele teve outro, as vezes no transporte separado, não era azarado. Você falou como é que pode? O cara acabou de tirar esses motores aqui para levar para oficina, o caminhão capotou e agora quem paga?

FABIO AVELAR – DIRETOR DA BRANCANTE SEGUROS
Então tem muito, tem muitas situações adversas e interessantes, muitos casos interessantes aí.

JOÃO PAULO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
Olha, mais uma vez eu que agradeço. Muito obrigado. Eu sei que sou uma pessoa que já tem acompanhado o canal, já.

FABIO AVELAR – DIRETOR DA BRANCANTE SEGUROS
Direto estou aplicando.

JOÃO PAULO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
Então eu vou deixar para você fazer o nosso nosso encerramento, porque afinal de contas, tudo isso aqui é para passar instrução para as pessoas, exatamente porque a gente usa muito o bordão que navegar.

FABIO AVELAR – DIRETOR DA BRANCANTE SEGUROS
É saudável e preciso.

 

Comentários (0) |

Vídeos Relacionados

MAR DE AMIGOS – ESCOLA DE VELA AJUDANDO A FORMAÇÃO DO CIDADÃO – 23/05/2024

Eu me chamo Cíntia. Sou Cíntia Knot. Eu sou a velejadora. Comecei a velejar com dez anos de idade, no Optimist, que é o barco que criança normalmente aprende a velejar. Velejei durante muitos anos em diversas classes. Eu passei a velejar e veleiros oceânicos. Depois de um ano de surf e finalmente cheguei à … Continued

MAR DE AMIGOS – RUMO AS OLIMPÍADAS DE PARIS 2024! – 09/05/2024

Conseguimos aqui uma palhinha e uma palhinha. Porque o momento dessa pessoa, que é uma personalidade, uma. E é muito raro, porque o Bruno é um velejador que vai nos representar nas Olimpíadas agora que vai iniciar em julho próximo e o Bruno está aqui para contar um pouco para a gente a história, porque … Continued

MAR DE AMIGOS – NAVEGAMOS NA NOVÍSSIMA SCHAEFER V44! – 18/04/2024

Sejam bem vindos a mais um lar de amigos. E hoje, dando continuidade à linda festa de ontem que vocês puderam acompanhar já no vídeo anterior e hoje nós teremos o prazer de andar nessa embarcação. Nessa até 44 falarei com um detalhe especial com o Márcio, o chef Omar Chef que vai ser o … Continued