MAR DE AMIGOS – FARÓIS. QUAL A IMPORTÂNCIA? SÃO NECESSÁRIOS PARA NAVEGAR? – 24/08/2023

JOÃO PAULO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
Sejam bem vindos a mais um mar

JOÃO ROBERTO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
De amigos!

JOÃO PAULO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
E hoje, como sugestão de vocês, vou falar a respeito de um tema que para mim é emblemático. vamos falar sobre os?

JOÃO ROBERTO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
Faróis, faróis, os aparelhos que servem para que oriente o navegador a uma chegada segura ou para fazer o confrontamento do seu local de navegação.

JOÃO PAULO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
Eles fazem parte do grupo de auxílio à navegação, à navegação, algo que nós já falamos no vídeo sobre balizamento. Vou deixar aqui no kart para o pessoal dar uma olhadinha, mas os faróis para mim tem um quê de especial E fiquem com a gente até o final desse vídeo, porque vamos falar a importância deles. Como distinguir? Vocês são todos iguais e como funcionam?

JOÃO PAULO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
Antes disso, não se esqueçam de curtir o nosso conteúdo, se inscrever em nosso canal. E vamos lá, Pai, Vamos lá, Pai, para que serve um farol ou farol?

JOÃO ROBERTO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
Ele serve para orientar um navegador. O primeiro farol que se tem registro é o Farol de Alexandria, que era exatamente para orientar quem vem do mar. O farol é para saber se o navegador está no rumo certo. Dentro desse ponto ele vai fazer o seu confrontamento para poder alinhar sua rota, sua derrota e aí chegar em segurança um determinado ponto.

JOÃO PAULO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
Muito bom! E vai me explica, eles são todos iguais? Tem diferença? Classificação entre eles pelo tamanho e pela distância. Até tem outro no outro ponto também interessante, o que faz com que que a iluminação deles seja vista tão longe.

JOÃO ROBERTO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
É o seguinte como todos nós temos um documento, nós temos uma identidade, nós temos um CPF, um número de RG, um farol. Não seria diferente, né? Então, para isso nós contar mos com uma publicação que também é feita pela DH, n, d, h, n. Já falei inúmeras vezes, mas vou repetir. Diretoria de Hidrografia e Navegação e ela produz este documento que é a lista de faróis e tudo o que aquilo que é que é para poder dar registros.

JOÃO ROBERTO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
Nós chamamos de documento e a lista de faróis, inclusive ela é para ser atualizada constantemente, porque esses faróis eles podem sofrer alterações. Eles eles tem características que as vezes eles podem ser alteradas ou mesmo tempo. Eles podem estar em manutenção ou pode alterar também a sua o seu alcance, alguma algo nesse gênero. Então a lista de faróis que ela ao longo do período, o navegador é o responsável por atualizá la.

JOÃO ROBERTO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
Ela é extremamente importante. Lá na lista de faróis nós vamos encontrar a numeração do farol. O farol. Ele tem um número de identificação nacional e internacional e uma numeração que possibilita você distinguir este farol, ou no caso, esse que nós estamos agora aqui demonstrando que é o farolete. Eu farolete da Pedra do Corvo. Então este farolete, ele está catalogado, tá?

JOÃO ROBERTO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
E na lista de faróis vai dar todas as características desse farol de nós. Falamos normalmente sobre farol comum, sendo todos iguais e no fundo não são todos iguais, porque esses faróis eles tem alcances, eles tem eles tem distância de avistamento diferente. Então cada farol ele é escalado a autoridade quando ela chegar à conclusão de instalar um farol num determinado local e para uma determinada necessidade.

JOÃO ROBERTO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
Nós temos que lembrar que primeiro ponto para instalação de um farol é a altitude. Eu nós aqui agora nós estamos no nível zero. Nós estamos no nível do mar, né? Nós temos que lembrar que existe uma curvatura aqui do oceano que dependendo da nossa estatura, da nossa altitude, ela vai ser ampliada. Então, quando eu tenho um farol que ele tem um alcance, vamos dizer, até dez milhas, ele não é chamado de farol.

JOÃO ROBERTO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
Ele é chamado de farolete até dez milhas de alcance visual. Esse alcance visual ele tem a parte diurna e noturna diurna. Nós temos aqui a condição climática, que é perfeita, tal que vai ampliar a minha visualização. E tem a parte noturna que eu vou depender da intensidade luminosa que vai ser instalado nesse equipamento. Então, quando eu falo de um dispositivo chamado farol acima de dez milhas, que seria de 10 a 20 milhas, eu tenho o que todos conhecem como farol e tem o farol de aterragem que é para alcance superior a 20 milhas.

JOÃO ROBERTO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
Então nós temos essas três diferenciações que possibilitam com que o navegador aviste esse dispositivo de auxílio à navegação. A distância de acima de 20 milhas acima de dez milhas e até dez milhas. E quando se chega no Porto já tem aquilo que nós já mencionamos. Já fizemos uma matéria sobre o balizamento, que é o balizamento lateral cardinal. São os balizamentos que são mais próximos da nossa região portuária.

JOÃO PAULO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
E quando você fala, por exemplo, a lente, eu acho que deveria ser uma grande responsável. A gente teve no Oeste e lá eles fazem questão de mostrar como é que era a lente da época. Tudo porque ela tem que aumentar, né? Eu acho que esse alcance do farol eu acho que vão ser grandes obras de artes, um farol.

JOÃO ROBERTO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
Ele não deixa de ser uma obra de arte, né? Nós temos que imaginar a construção de um farol em pontos mais inóspitos que existem e ilhas em pontes e em picos de pedra e em locais em que não é fácil você instalar um dispositivo desses. Então ele não deixa de ser uma obra de arte. E aqui, infelizmente, nós não temos assim a cultura de enaltecer essas.

JOÃO ROBERTO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
O que você chamou de obra de arte que em outros países isso aí fica muito evidente. Slides e não enaltece, cobra entrada mostram o local como um ponto turístico. Aqui no Brasil nós temos inúmeros locais lindíssimos que são obras de arte que também você vai poder diferenciar pela lente e pela pela, pela, pela arquitetura, pela pela, pela sua proposta de alcance.

JOÃO ROBERTO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
Que inclusive tem uma literatura muito bonita que vocês vão estar mostrando para vocês aqui, que chama a luz do Novo Mundo, tá? Essa luz do Novo Mundo. Ela está mostrando as fotos a todas essas obras de arte da nossa costa brasileira, que são equipamentos instalados aí centenários, né? E que tem diferença sim de luminosidade de lente. A lente realmente ela altera de acordo com a necessidade.

JOÃO ROBERTO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
Não adianta ter aqui uma lente super potente pra não ter o uso adequado para aquela região.

JOÃO PAULO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
Todo farol tem um responsável por ele, tem uma pessoa que está ali zelando por ele, tem um senhorzinho que vai lá e todo dia de manhã e liga e desliga o disjuntor. Você citou.

JOÃO ROBERTO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
Disjuntor, vamos lembrar. Falei de estruturas centenárias. Naquela época mal tinha energia elétrica. Imagine levar energia elétrica para uma ilha para um ponto totalmente inóspito. Então que essa figura do farol, uma figura, como posso dizer, sinistra, aquela figura que o farol tem que ter um faroleiro, que aquela pessoa que parece um mago, aquele monstro, aquele senhor barbudo, tal. E a grande realidade é que esses faróis na antiguidade, onde eles tinham que ter alguém que o alimentasse.

JOÃO ROBERTO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
Naquela época nós não tínhamos a energia elétrica, então nós tínhamos que ter ali um faroleiro. Esse faroleiro era uma pessoa que morava naquele, naquela estrutura para poder manter o equipamento constantemente em funcionamento, né? Hoje em dia nós não temos mais isso, não temos mais essa necessidade. Obviamente que ainda existe a figura do faroleiro, uma figura extremamente importante. Mas onde é que a Marinha vai designar que tenha um faroleiro em pontos que realmente se faz necessário?

JOÃO ROBERTO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
Quando nós falamos de um faroleiro, você olha na carta náutica, ou na carta náutica, ou no próprio GPS, algo que você tem a representação. Você clica em cima, você vai verificar que ali tem um farol, vai aparecer entre parênteses um sg, SG quer dizer, sem guarnição.

JOÃO PAULO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
Ou gente sem ninguém, sem.

JOÃO ROBERTO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
Ter ninguém lá. Então o que acontece ali não tem ninguém. Nós estamos falando aqui do farolete aqui da Pedra do Corvo, aqui claro que não tem ninguém, porque hoje você tem um dispositivo com o fator de energia solar, com acendimento automático, então não tem mais essa necessidade, não tem o disjuntor no lugar a não ser vivo. Caligari. A maior alegria de um navegador é quando ele avista um farol, quando ele tem um ponto de confrontamento para poder ter o seu posicionamento.

JOÃO ROBERTO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
E aí é quando ele faz o seu traçado, fala Estou certo, estou no rumo certo, estou no local certo. Isso é de acordo com o que ele pode visar visualizar, que é através do conjunto de auxílio à navegação que são os faróis.

JOÃO PAULO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
Meu pai, vamos lá Agora você me chamou a atenção de um negócio que eu acho que é interessante. Estou chegando no lugar. Como é que eu consigo saber? Você falou. Tu é uma figura que eu consigo saber que eu estou chegando em casa, Eu estou chegando no meu objetivo, ou pelo menos confrontar com as minhas marcações e como é que eu sei que aquele farol e aquele farol é interessante?

JOÃO ROBERTO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
Você mora no ou você mora numa região ou até o escritório e numa avenida extremamente populosa e você tem várias torres? Como é que você acha a tua torre? Como é que você acha a sua casa? Você tem um número, você tem o CEP, você tem uma identificação, é um farol, Não seria diferente. Então durante o dia você tem características visual Sim, Ok, aí é uma torre, é encarnada, alta torre é verde, outra torre.

JOÃO ROBERTO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
Ela é quadriculada, então uma de alvenaria, outra estrutura metálica. Então isso tudo está dentro da lista de faróis. Ali tem as fotos dos faróis, então não tem erro na parte visual de um período diurno, mais um pequeno noturno, você tem o que? A característica luminosa. Cada farol tem uma combinação de luzes. Essas luzes nós vamos ter dela luz fixa e uma luz acesa continuamente.

JOÃO ROBERTO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
Nós temos uma luz intermitente. Nós temos luzes que são alternadas, onde a ocultação, que é o auto ocultação. Eu tenho uma lâmpada acesa e aí tem uma obstrução. Quando você percebe, o farol está girando. Não é o farol que está girando, é a luz que está girando. Tem um prato e aí tem uma obstrução que cria um campo de sombra para aquela luz.

JOÃO ROBERTO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
Então ali seria a ocultação, lampejo. E quando ela, você tem aquele tipo lampejo, é isso, você tem um período. Todo o navegador tem que pensar que tudo é regido em cima de tempo, né? Tempo, Ou seja, na antiguidade nós tínhamos a ampulheta, depois não passamos a ter o cronômetro. Então hoje você tem um relógio ao mesmo tempo. Se não soubessem, conta no dedo 1000 e ou 1002, 1003, 1004, 1005, 1006.

JOÃO ROBERTO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
Este farolete aqui ele tem uma sequência luminosa que é de 6/2 branco, ou seja, a cada 6/2 ele tem um farol, fala um facho luminoso branco de seis em 6/2, o que.

JOÃO PAULO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
Garante 100% da eficácia de um farol para que de repente não ocorra um acidente.

JOÃO ROBERTO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
O que garante 100% da eficácia do farol. É o nosso mar de amigos, né? Compete a todos nós, ao identificarmos qualquer avaria, qualquer qualquer distorção daquilo que está sinalizado nas cartas náuticas ou na lista de faróis que comunique às autoridades para que faça com que ocorra a correção desse equipamento. Porque o trabalho que as nossas autoridades que a Marinha faz é um trabalho que é muito rudimentar.

JOÃO ROBERTO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
É um trabalho difícil, não é fazer. Não é fácil você deslocar uma embarcação com uma equipe que vá até um ponto para poder substituir uma lâmpada ou para poder fazer qualquer tipo de manutenção. Então, o primeiro ponto nós temos que pensar que todo sistema é falho, tá mais para que ele não seja falho. Nós precisamos da união de todos para que tenhamos aí esse sistema funcionando.

JOÃO PAULO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
E esse é um ponto interessante, porque ele faz parte do grupo de auxílio à navegação. Ele não é essencial para a navegação.

JOÃO ROBERTO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
Ele é extremamente importante, mas não quer dizer que ele que não dá para o navegador navegar sem esse dispositivo. É óbvio que com o auxílio navegação há uma segurança mais e um conforto a mais e que todos nós merecemos. Pai.

JOÃO PAULO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
Para a gente terminar isso é utilizado apenas por embarcações o auxílio à navegação. Os faróis são só para navegação, só para navegação?

JOÃO ROBERTO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
Não. Então nós vamos colocar aqui. Eu não vou citar todos, mas eu vou citar alguns importantes. Então nós temos faróis, vamos usar e vamos admitir do seguinte estamos vindo da região sul aqui para para Bertioga. Então nós vamos avistar a uma longa distância o farol da Ilha da Moela, o farol da Ilha da Moela é um aero, o farol é um rádio, farol é um farol que ele além de orientar o navegador, ele também tem dispositivos para orientar, auxiliar as aeronaves.

JOÃO ROBERTO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
Então esses aero faróis, esses rádio, faróis, eles ficam emitindo em morse determinadas letras que quem estiver ouvindo o sinal direcionado por aquela antena, ele vai identificar que a letra NR é do farol da Ilha da Moela. Daí então se essa aeronave tiver sobrevoando daqui para o Rio de Janeiro, por exemplo, vai ter o farol da Ilha Rasa também.

JOÃO ROBERTO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
É uma era o farol, o farol de grande importância. Então as aeronaves também se utilizam desse dispositivo. Então um farol, um rádio, farol, aero farol, farolete, uma bóia, uma baliza. Isso é de extrema importância para todos, inclusive o turismo, porque você chega ali naquele local, você fala assim poxa, eu fiz uma selfie aonde do lado do farol eu estive ali, que ele tem latitude e longitude em qualquer lugar do mundo.

JOÃO ROBERTO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
Quando der aquela latitude e longitude e plotar numa carta náutica, vai verificar que aquele é o farol determinado. Muito legal.

JOÃO PAULO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
Pai! Então obrigado e mais uma vez organize seu pessoal, Afinal de contas, acho que esse é um tema para ajudar muito nas navegações, porque navegar é saudável.

JOÃO ROBERTO – CONSULTOR TÉCNICO DE VENDAS
Navegar é preciso e portanto, veja bem, siga os faróis.

 

Comentários (0) |

Vídeos Relacionados

MAR DE AMIGOS – ESCOLA DE VELA AJUDANDO A FORMAÇÃO DO CIDADÃO – 23/05/2024

Eu me chamo Cíntia. Sou Cíntia Knot. Eu sou a velejadora. Comecei a velejar com dez anos de idade, no Optimist, que é o barco que criança normalmente aprende a velejar. Velejei durante muitos anos em diversas classes. Eu passei a velejar e veleiros oceânicos. Depois de um ano de surf e finalmente cheguei à … Continued

MAR DE AMIGOS – RUMO AS OLIMPÍADAS DE PARIS 2024! – 09/05/2024

Conseguimos aqui uma palhinha e uma palhinha. Porque o momento dessa pessoa, que é uma personalidade, uma. E é muito raro, porque o Bruno é um velejador que vai nos representar nas Olimpíadas agora que vai iniciar em julho próximo e o Bruno está aqui para contar um pouco para a gente a história, porque … Continued

MAR DE AMIGOS – NAVEGAMOS NA NOVÍSSIMA SCHAEFER V44! – 18/04/2024

Sejam bem vindos a mais um lar de amigos. E hoje, dando continuidade à linda festa de ontem que vocês puderam acompanhar já no vídeo anterior e hoje nós teremos o prazer de andar nessa embarcação. Nessa até 44 falarei com um detalhe especial com o Márcio, o chef Omar Chef que vai ser o … Continued