MAR DE AMIGOS – NÃO COMPRE UM BARCO USADO ANTES DE ASSISTIR ESSE VÍDEO – 28/07/2022

Sejam muito bem vindos a mais um mar de amigos. Hoje um alerta, um tema importante para quem está comprando a sua lancha. Tem muita gente comprando gato por lebre no mercado então tomem cuidado, pois o mercado náutico não é para amadores.

E o tema é bem sugestivo porque tem muitos oportunistas. Nós temos vendedores compradores brokers visando o melhor negócio.

E a brokers, intermediários mal intencionados, mal informados ou até mesmo despreparados.

Existe um conflito de interesse porque os compradores procuram o melhor negócio, o bom, bonito, barato e com o tanque cheio. E esse item praticamente não existe.

Os vendedores, por sua vez, também buscam fazer o melhor negócio. Buscam visar lucro. Então, acabam, em algum momento saindo ou também mal informado, achando que estão com os melhores produtos do mundo ou até em algum momento são mal intencionados, sabem de alguma coisa e não informam.

Geralmente somos procurados para falar sobre a variação dos barcos. Os preços e a inexistência de uma tabela reguladora como a Fipe, que existe para os automóveis, não existe para os barcos. Então isso ocasiona uma série de dúvidas e às vezes até de valores totalmente fora de uma realidade.

Então, fiquem aqui conosco que nós vamos listar para vocês os erros mais comuns. O que você não deve fazer na compra de um Barco? Cuidados que você deve ter. Então, antes disso, não se esqueçam. Nos sigam se escrevam no nosso canal, deem o like nesse vídeo e nos acompanhem. Vamos conosco que vamos listar esses itens. Vamos lá!

 

1- BARCO NÃO TEM NÚMERO DE CHASSI?

O primeiro item que tem que ser chamado bem atenção é a falta de um número de chassi. Barco não tem chassi, pelo menos não é obrigatório. Pela Marinha do Brasil. Então, embora alguns estaleiros têm esse hábito, ou seja, mesmo não sendo obrigatório de ter o número de série de construção do casco, a maioria deles não tem um número de série.

Portanto, é muito difícil você conseguir fazer um inventário sobre o histórico desse dia.

 

1.1- LINHA DO TEMPO

Essa embarcação é o primeiro item dentro dessa questão de chassi. O número de série E aí a dica para vocês não terem nenhum tipo de invertida é a linha do tempo. Então, todo modelo consagrado no mercado ele vai ter uma linha do tempo de quando esse modelo surgiu. Os estaleiros costumam fazer como no mercado automobilístico ou facelift, então eles acabam mudando um pouco aquele modelo e lançando com nova nomenclatura ou até mesmo com motorização diferente.

E ou opcionais diferentes. Então, é super importante você entender essa questão da linha do tempo, dando um exemplo simples e que a maioria das pessoas que já conhecem do mercado náutico vão entender vão associar o exemplo da 440 full e um barco que lançou em 1992 como Oceanic 40 mudou para 440 em 1996. Em 1986, ela trocou para 440 por aí houve mudança de motorização, mudou novamente e entre 99 e 2000.

E esse mesmo barco foi fabricado até 2005. Aí, já como o 440 Full Gold.

 

1.2- POSSÍVEL ALTERAÇÃO DO ANO 

Embora muitos não saibam, é possível fazer a alteração do ano de construção da embarcação, o ano de construção da embarcação. Ela é proveniente da emissão da nota fiscal. Então a nota fiscal dado pelo estaleiro ou pela loja é o que vai determinar perante a Marinha do Brasil o ano de construção dessa embarcação. Então, portanto, se você tiver uma atualização desse barco, dependendo da transformação que você faça, ou na parte mecânica, trocando os motores ou fazendo ou no caso, ou uma recuperação de um barco, você pode alterar mediante as notas fiscais.

Pode alterar o ano de construção no documento do barco. Desta forma, nós podemos encontrar barcos aí com 20, 30 anos de construção original, mas que estão com o documento acelerado.

 

1.3- FALTA DE INTEGRAÇÃO ENTRE CAPITANIAS DOS PORTOS

Dando sequência nesse mesmo tema, falando a respeito de Marinha do Brasil e possibilidades. É interessante a gente ressaltar também que até pouco tempo o sistema da Marinha não era integrado. Ou seja, se eu tiver um vendedor mal intencionado ou com essa mudança citada de anos de construção, eu posso até dar entrada no mesmo produto em duas capitanias distintas.

Eu posso ter o mesmo barco sendo cadastrado de repente em São Paulo e também na Bahia. O que para o consumidor ele perde a referência se tiver qualquer tipo de processo ou qualquer tipo de problema junto à Marinha, ele se tornará perdido dentro desse histórico.

 

1.4- SALVADO / RETROFIT

Dentro disso, nós temos o caso dos salvados. Nós temos muitos barcos que, às vezes, como naufragou, teve um princípio de incêndio. Nós tivemos alguns alguns acidentes com aquela embarcação em que algumas empresas, a própria seguradora própria, ela vai ofertar para o proprietário a compra, a recompra desse desse bem. Ou, no caso, existem empresas especializadas que fazem a recuperação desse barco.

Então esse barco ele voltará para o mercado de uma forma que o comprador, por falta de experiência ou por não saber que existe esse tipo de prática, ele vai encontrar um barco que pode estar lindo, maravilhoso, mas é um barco fruto de algum tipo de acidente.

 

2-MESMO MODELO FABRICADO POR EMPRESAS DIFERENTES

Modelos conhecidos no mercado, modelos famosos que nós vemos no nosso dia a dia. Eles muitas vezes são fabricados por empresas diferentes. OPA, agora você deve estar falando, mas que loucura! Sim! A empresa, a título de informativo de adesivo no casco é a mesma, porém o CNPJ são distintos e isto era uma prática muito comum do mercado. E é algo que gera dúvida, porque, assim como citado nos exemplos anteriores, se eu tiver uma lancha de salvados uma lancha que teve o seu histórico alterado com a capitania e eu não consigo saber quem é que era aquele construtor original, você vai pegar casos simbólicos, como citei já há 440, mas nós temos 500, foram 580, foram 600.

Foi o que, ao longo desse período, desse modelo em linha, eles saíram com fabricantes distintos. Isso não ocorreu apenas com o Inter Marine, ocorreu com o Ferretti, com vários outros estaleiros tradicionais de mercado. Então, é mais um item a se tomar cuidado.

 

3 – ANO DE CONSTRUÇÃO

Voltando, ou seja, é um. É um item ligado ao ano de construção da embarcação. Então, vamos fazer aqui um comparativo. Nós temos o caso da chefe. A chefe, aliás, é a chefe Ela produz um modelo muito conhecido como Phantom 290. Esse modelo foi lançado em 2002 e, como que vocês podem saber disso? Pelo documento do barco, não existe uma placa de identificação à qual está dizendo ali.

O ano de fabricação daquele casco ou mês de fabricação está aqui. Inclusive isso daí vai ser a, vamos dizer, o chassi do barco. Então, no caso de outros modelos de outros fabricantes, nem sempre você vai encontrar isso. É apenas a emissão da nota fiscal. Isso vai causar realmente um transtorno na hora da revenda desse barco, porque quem entender ou quem consultar um alguém qualificado vai levantar esse tipo de talvez até não digo como falsidade ideológica, mas algo que pode gerar um tema como desonestidade.

 

4 – ANO / MODELO

Seguindo essa linha do que foi falado e até explicando um pouco mais. E isto era extremamente comum porque os barcos diferente dos carros e já foi citado questão de chassi, tudo ele não. Se ele não se prevê o ano de construção, o ano de construção está ligado com a nota fiscal, assim como acabou de citá lo. Porém, há estoques antigos há lanchas que ficaram em demonstração.

Então, em alguns momentos você o ano não bate com aquele primeiro item que foi citado lá atrás, que é a linha do tempo. Ou seja, de repente você pega um barco que já teve alguma alteração em sua linha, como uma categoria de exportação como avanço de manete. Mas naquele ano que aparece no documento, não bate com a linha do tempo que ele já deveria ter.

Esses avanços e até indo mais fundo dentro desse tema é um erro muito comum que as pessoas costumam cometer até induzidas pelos players do mercado, porque Baco não tem ano d modelo. Barco tem ano de construção. A Marinha não prevê modelo. Não é como um carro que eu tenho construção 2015 modelo 2016 e isto não existe. Se o barco foi fabricado em 2015, ele é 2015.

 

5- PREIMEIRA CONFIGURAÇÃO DO BARCO

Outro item que enfrentamos no nosso cotidiano é a configuração do barco, que ela às vezes é alterada no decorrer dos anos, com a troca dos motores por troca de motores mais potentes. Ou motores que não têm a mesma curva de desempenho por marcas diferentes. E isso a pessoa analisa, ou seja, o comprador ele vai analisar de forma que é natural e isso não é natural, porque cada barco na montagem original ele foi analisado para que tivesse um determinado desempenho e um determinado comportamento até por disposição de baterias.

Às vezes o barco está Bernado e a pessoa não sabe por que ele está. Bernado Ele está torto porque na nova configuração que foi alterado ao longo do tempo, isso não é ilegal e muitas vezes, até porque o motor fundiu ou porque a pessoa fez a troca por um equipamento mais moderno, isso vai ocasionar exatamente numa dificuldade de revenda.

Então, é um item que é extremamente comum no mercado.

 

5.1- ANO DO MOTOR VS ANO DO CASCO

Sabendo deste ponto que foi colocado, dá para ir além também, pois há casos de barcos que nasceram de zero e tiveram motores que não batiam com aquele ano de construção. Ou seja, o barco era 2015, mas a pessoa achou uma oportunidade no mercado de algum motor que estava em alguma concessionária na caixa. Mas esse motor era, sei lá, 2010.

Para quem já é um pouco mais antigo no mercado, é muito comum isso nas magnuns nas fishings, porque você pegava um casco 2004, 2005, mas os motores eram da década de 90, As fichas, como são casos de motor de popa e também é muito comum o ano do motor não bater com o ano do casco que aquilo que foi citado.

Há uma troca de motorização. Caso o barco antigo fundiu o motor, alguma coisa do tipo você quis modernizar. Existe também a questão de Aveiro, este motor. No documento, muitos fazem a troca física funciona bem, mas na hora de vender esta lancha o número de série da motorização não bate com o número de série que está no documento.

 

5.2 – ADAPTAÇÕES

Enfrentaremos também outro item, que são as adaptações, geralmente por uma má assessoria ou por alguém mal intencionado, vem aquela sugestões que dá para se trocar determinados tipos de propulsor. Então, só para exemplificar, nós temos na nossa marca nosso chefe de iates. Nós temos o mesmo modelo de barco, com propulsores diferentes, um sistema de GPS com sistema de eixo pé de galinha, até mesmo com o sistema dê ele se de superfície, verifique.

Vamos até deixar aqui no nosso na nossa tela, um outro vídeo que foi mencionado sobre os propulsores, diferença sobre os propulsores e essas alterações quando feita após o barco ter nascido, ou seja, de o barco ter sido construído, são alterações problemática porque terá algum tipo de consequência? Porque veio sempre um Professor Pardal dizendo que ele tem como fazer com que aquilo fique correto.

Mas o estaleiro serio um estaleiro que tem um departamento de engenharia, que tem os projetistas e o barco nasceu para vir com aquele tipo de propulsor e aquilo tem que ser mantido.

 

6- COMPARATIVOS ENTRE MESMOS MODELOS

Saindo um pouco fora deste item. É algo também muito comum. Erro muito comum do mercado são os comparativos. E dentro desses comparativos, as pessoas acabam comparando marcas diferentes, modelos diferente antes e tentando associar qual é o melhor custo benefício. Porém, cada estaleiro tem o seu posicionamento de mercado. Cada modelo tem o seu posicionamento de mercado. Então não adianta eu comparar um barco HT com o barco com Fly para ter uma referência de preço Não adianta eu comparar um preço de um produto premium com um outro produto que está tentando ganhar mercado ou um produto que o comparativo dele é por preço Então, normalmente o que ocorre é que as pessoas fazem essa aquisição achando que

fizeram um bom negócio e quando se deparam com a realidade de mercado, ela simplesmente pagou o valor de mercado. Às vezes até acabou pagando a mais do que o mercado por não ter referência, não ter um comparativo Nesses casos, é muito comum também. O barco do amigo ou amigo sempre acaba empurrando algum produto para aquele amigo de infância e que saiam juntos.

E você fala assim Poxa, se o produto era tão bom de vender assim, era um negócio imperdível. Por que não fez a venda deste produto no mercado paralelo de forma natural e rápida, como seria?

 

7- AVANÇOS TECNOLÓGICOS

Outro item que ouvimos constantemente que tem que ser muito bem observado é quando as pessoas se referem que barco não tem ano e sim estado de conservação. Realmente isso é muito importante o estado de conservação do equipamento, mas, por outro lado, nós temos que fazer uma análise dos dos equipamentos com a tecnologia dentro de uma realidade. Ou seja, não adianta ter uma embarcação extremamente conservada mas com equipamentos que estão totalmente fora da atualidade.

Então essa parte é muito visível na parte dos eletrônicos os eletrônicos têm avanços rapidamente e isso inclusive os equipamentos de ponta, os equipamentos atuais. Eles são muito mais caros do que aqueles outros que muitas vezes nem peças têm mais para poder repor. Então precisa observar que tanto equipamento eletrônico mecânico e equipamentos de hidráulica que isso vai sofrendo alteração para melhor com o passar do tempo.

E isso gera um custo. Então, fazer o comparativo com uma embarcação apenas pelo estado de conservação e não considerando a parte tecnológica que está naquele atual momento de um outro barco. Em comparação, realmente é uma falha comum para que se analise e que pare os preços.

Até mesmo o próprio aprendizado do estaleiro, porque não temos produções assim tão grandes. Então, a cada barco produzido há um grande aprendizado de posições para deixar devidos equipamentos e avanços na qualidade de fabricação exigências de novos mercados. Então, é um item muito importante e realmente faz a diferença. Eu citei a questão dos amigos e isso isso é muito comum a opinião de pessoas desqualificadas no mercado.

 

8 – OPINIÕES
Então, às vezes nós temos um conhecido, um mecânico. Não que seja uma pessoa ruim ou que não tenha conhecimento em cima do trabalho que ele executa. Porém, ele pode não ter o conhecimento a respeito daquele modelo em específico da motorização, dentro daquele conjunto em específico, ou até mesmo um amigo que possui a melhor marca do mundo. E essa é aquela e a gente precisa pegar opiniões de pessoas do mercado, pessoas que vivenciam isso no dia a dia, que sabem as diferenças que acompanham essas entregas.

Então isso é extremamente relevante não adianta fazer o comparativo de um piloto que de repente ele só dirige para uma única escuderia. Como é que ele vai falar mal da outra, sendo que de repente ele nunca pilotou.

 

9- HISTÓRICO DO BARCO
Dentro disso, também é importantíssimo com que a consultoria tenha tenha conhecimento sobre o produto, que é o histórico que nós chamamos esse histórico e desde do primeiro proprietário, o segundo terceiro. Nós temos casos aqui que nós já vendemos o mesmo produto por seis meses. Então nós conhecemos cada proprietário, cada um como que sabia, como faria a parte da utilização dessa embarcação.

Então, esse histórico da embarcação, da motorização do barco, porque um exemplo eu posso ter um proprietário que ele use o barco com mais exigência, ou seja, ele está com o barco mais lotado, ou ele quer usar numa rotação superior do que aquela comum para que se utilize para ter uma vida útil do motor. Então nós temos o que o histórico mecânico que geralmente as pessoas conscientes fazem suas revisões periodicamente com autorizados, com mecânicos estabelecidos e também temos aquelas pessoas que não fazem.

Então, esse histórico é fundamental para que cada um de nós possamos dar sequência e julgar a embarcação, não apenas pela aquilo que você está visualizando, mas sim pelo aquilo que está no interior do barco. Que é o coração do barco, o motor elétrico e hidráulica, e assim por diante.

 

10- CONSULTORIA ESPECIALIZADA
Não dá para afirmar que o histórico futuro vai ser baseado no histórico passado, todavia, é o melhor critério que a gente consegue seguir e funciona. As embarcações que têm um histórico positivo, elas acabam tendo um futuro também positivo, claro, dependendo também do formato de uso de cada proprietário. Então, esses últimos três itens eles deixam claros que é super importante você ter alguém que seja especializa para o mercado, que tenha uma empresa aberta, que tenha um CNPJ, que tenha um local físico, que cuide da sua própria casa, porque se nem o local aonde ele trabalha é agradável para esse encontro, imagine em algum momento de qualquer tipo de problema que você venha a ter.Então, procure uma empresa especializada, porque, lembrando o pessoal, não existe almoço de graça. Todos já falamos aqui, já mencionamos e existe um conflito de interesse. É somente aquele que trabalha no mercado. Pode fazer com que você faça um negócio justo, porque a náutica é isso. A náutica é saudável.

Náutica, é preciso navegar, é preciso navegar é saudável.

Muito obrigado por nos acompanhar até aqui e até a próxima.

Até a próxima vamos navegar vem para o mar de amigos.

 

Comentários (0) |

Vídeos Relacionados

MAR DE AMIGOS – BARCO NA ÁGUA OU NO SECO? – 04/08/2022

Sejam bem vindos a mais um mar de amigos. Hoje falaremos de um tema diferente. Lugar de barco é no seco ou na água? Bom, obviamente, é na água. Mas não é bem assim que funciona quando nós falamos a respeito do armazenamento, como nós vamos garageá-lo E na maioria das vezes, nós acabamos tendo … Continued

MAR DE AMIGOS – POR QUE PLANEJAR A COMPRA DO MEU BARCO? – 21/07/2022

Sejam bem vindos a mais um mar de amigos. Hoje falaremos de algo que nós já estamos falando já há um bom tempo. Porém, o mercado mudou e as pessoas agora estão tendo que se adaptar cada vez mais a isso que envolve o planejamento, o planejamento de compra de um barco. PLANEJAMENTO Planejamento que … Continued

MAR DE AMIGOS – É SEGURO DORMIR EM UM BARCO? – 14/07/2022

Fazer pernoite a bordo é perigoso? E a pirataria? Existem limitações de embarcações para poder fazer um pernoite com segurança? Neste vídeo, usamos fotos e experiências reais para responder essas perguntas e quebrar esse tabu de perigo em pernoites. Falamos sobre o que se deve ter a bordo para não passar por dificuldades, planejamento e … Continued